Blog Delta Fiat

Todos os Post
Início Blog Marcha de carros: como funciona e os principais cuidados necessários

Marcha de carros: como funciona e os principais cuidados necessários

16 de abril de 2021

A marcha de carros é parte fundamental do sistema de transmissão do veículo. É importante ter atenção quanto ao seu uso, pois ele influencia diretamente no consumo de combustível e no bom desempenho do automóvel. 

Além disso, práticas nocivas podem causar desgaste prematura das peças e até mesmo quebras, o que pode representar altos custos de manutenção. 

Pensando nisso, preparamos esse texto para esclarecer algumas dúvidas comuns sobre o funcionamento da marcha de carros. Continue a leitura e descubra tudo o que você precisa saber sobre o tema. 

Como funciona a marcha do carro? 

A marcha do carro faz parte do sistema de câmbio, mecanismo responsável pela distribuição de torque ao motor. Cada um dos níveis, ou seja, um número de marcha, dita a força e a velocidade que são transferidas às rodas. 

Geralmente, os carros de passeio contam com 5 níveis de marchas, sendo classificadas como baixas (1-3) e altas (4 e 5). Quando a rodagem acontece em marchas baixas, o carro está com pouca velocidade, mas com alta potência. Isso acontece durante a fase de aceleração. 

Já quando encontra-se em marchas altas, ou seja, a partir da posição 3, o veículo roda em velocidades maiores, mas com menor potência e aceleração. 

Outra função da marcha do carro é a de alterar o sentido de rotação das rodas, ou seja, quando a ré é engatada. 

Tipos de transmissão 

Atualmente, é possível encontrar veículos com quatro tipos distintos de câmbio, sendo eles: manual, automático, automatizado e CVT. 

Entenda melhor sobre cada um deles abaixo: 

  • Manual: é a opção mais comum no mercado. Aqui, utiliza-se a embreagem e uma alavanca para selecionar a marcha desejada; 
  • Automático: como o próprio nome já diz, o acionamento da embreagem e a troca de velocidade ao engatar as marchas são feitas automaticamente, sem a necessidade de intervenção do motorista. Este, precisa apenas controlar a velocidade e o freio. 
  • Automatizado: são utilizados sensores elétricos para realizarem a leitura do motor do veículo. Estes, por sua vez, identificam as mudanças de velocidade e enviam sinais para os atuadores hidráulicos, responsáveis por acionar a troca de marchas automaticamente. 
  • CVT: aqui, não há um número fixo de marchas e o veículo roda como se existisse uma infinidade delas. As trocas de marchas acontecem de forma virtual, variando de acordo com a velocidade do veículo e não limitadas pelos giros do motor. 

Dicas de uso da marcha de carros

O motorista deve evitar algumas práticas, de modo a não prejudicar o funcionamento da marcha do carro. Listamos algumas ações que não devem ser feitas. 

  • Evite reduções muito bruscas: o sistema de transmissão tem a função de trabalhar em rotações específicas, logo, quando forçado, aumenta-se a possibilidade de quebra;
  • Nunca diminua a marcha pulando etapas, como, por exemplo, saindo da posição 4 direto para 1;
  • Não apoie o braço na alavanca do câmbio;
  • Não deixe de fazer as revisões periódicas. Estas devem ocorrer a cada seis meses ou quando o veículo atingir 10 mil quilômetros rodados. 

Atenção aos sinais no painel de controle

A grande maioria dos veículos atuais contam com um conta giros no painel de controle. Ele é responsável por monitorar o número de rotação do motor, indo, geralmente, do 0 ao 8. 

O número 8 representa o limite de rotação máxima do motor, por isso, ele está próximo a uma faixa vermelha. Não é indicado rodar com o veículo nesse ponto, pois isso pode causar danos ao motor e à embreagem.

Portanto, fique de olho no conta giros para evitar problemas. O mais indicado é que o ponteiro esteja entre o 2 e o 3. Quando estiver se aproximando do 4, já é um indicativo que a marcha está sendo muito esticada, portanto, deve ser trocada. 

Como passar a marcha corretamente?

Apesar de ser uma tarefa comum, a mudança de marchas pode ser um desafio para alguns motoristas, principalmente para os iniciantes. Por isso, fizemos um passo a passo de como realizar a troca corretamente. Veja: 

  • Não pise na embreagem e no acelerador ao mesmo tempo, pois o giro do motor vai aumentar e o carro vai “pular” no momento em que você tirar  o pé da embreagem
  • Tire o pé do acelerador;
  • Pise na embreagem até o final;
  • Coloque a marcha na posição desejada;
  • Solte o pé da embreagem ao mesmo tempo em que volta a pisar no acelerador;
  • Tire o pé da embreagem e mantenha o acelerador pressionado.

Lembre-se, nunca pise na embreagem e no acelerador ao mesmo tempo, pois o giro do motor vai aumentar, o que pode levar o carro a dar um tranco no momento em que você tirar o pé da embreagem. 

Quando trocar de marcha do carro? 

Não existe uma regra clara de qual o momento correto para fazer a troca, uma vez que, dependendo do motor, isso pode variar bastante. Por exemplo, um veículo 1.0 vai exigir que a mudança de marcha ocorra em velocidades menores do que um modelo 1.8. 

No entanto, existe uma média que pode ser usada como guia de quando realizar a troca de marchas.

 

Posts relacionados

Avaliação de carros usados: entenda como funciona o procedimento

14 de maio de 2021
Afinal, você sabe o que é levado em consideração durante a avaliação de veículos usados? Descubra no blog!
Leia mais

Fiat SUV: conheça todos os detalhes do lançamento da marca

10 de maio de 2021
O Fiat SUV une características do Argo e Toro, ao mesmo tempo que mantém a sua personalidade própria e...
Leia mais

Carros econômicos: conheça 5 modelos Fiat

30 de abril de 2021
Fizemos uma lista com 5 carros econômicos da Fiat. A montadora italiana conta com alguns dos veículos mais...
Leia mais
Ver todos os posts